Nesse artigo você vai conhecer mais sobre Cordisburgo, espero que goste, aproveite também para conhecer outros artigos relacionados na nossa categoria de Viagens. Por favor, se esse artigo for relevante para você, deixe um comentário no final da página, e muito importante para nossa equipe! Fique a vontade e boa leitura.

Cordisburgo é uma das cidades míticas no imaginoso dos apreciadores da ótima bibliografia brasileira. Nesta município nasceu Guimarães Rosa, um dos maiores escritores brasileiros. A casa no qual o autor passou parte de sua infância é, hoje, o Museu Casa Guimarães Rosa, que tem em seu abundância fotos, documentos e diverso textos fabricados pelo grande mestre. Outro acolhedor de Cordisburgo é a Gruta de Maquiné, que encantou o cientista dinamarquês Peter Lund. Ele encontrou a gruta em 1835 e dessa maneira a descreveu: “de modo algum meus olhos viram coisa tão bela e magnífica nos domínios da natureza e da arte.”

 

História de Cordisburgo

Cordisburgo, antigo distrito criado em 1890/1891 com a denominação de Cordisburgo da Vista Alegre (a partir de 1923: Cordisburgo) e subordinado ao município de Paraopeba, foi elevado à categoria de município pelo decreto-lei estadual nº 148 de 17 de dezembro de 1938.Em meados de 1883, o padre João de Santo Antônio chegou na região conhecida como Sesmaria Empoeiras (algumas fontes citam o nome Arraial do Saco dos Cochos) e, por se tratar de um lugar com paisagens exuberantes e clima agradável, o padre logo a denominou de “Vista Alegre”, decidindo, assim, se estabelecer no local. É certo que, nessa região, o padre João deu início à fundação do povoado de Vista Alegre, em 21 de agosto de 1883, edificando a capela ao patriarca São José. O levantamento dos esteios se deu em 14 de fevereiro de 1884, tendo sido concluída a capela em 23 de junho de 1884. Fonte Wikipedia

 

Onde ficar em Cordisburgo

Existe diversos Hotéis e Pousadas, nesse caso indicamos você utilizar a ferramenta Booking considerada uma das melhores ferramenta de pesquisa de hospedagens do mundo.  Se você quiser conhecer os melhores locais para se hospedar em Cordisburgo, CLIQUE AQUI e ACESSE NOSSO LINK DO BOOKING. Você não paga nada a mais por isso e ainda ajuda nosso blog a crescer, pois recebemos uma pequena comissão de sua hospedagem!

 

O que fazer em Cordisburgo

Conheça os lugares mais procurados em Cordisburgo

 

Gruta do Maquiné – Acesso: Pago

gruta de maquiné

A Gruta do Maquiné, também conhecida como Lapa Nova do Maquiné, foi utilizada pelo homem pré-histórico como um abrigo. Essas comunidades não tinham hábito de entrar nas zonas escuras e utilizavam as entradas das grutas como áreas protegidas onde realizavam diversas atividades, tais como alimentação, dormitório, etc. A existência de pinturas rupestres e de outros vários vestígios arqueológicos são indicadores desses usos.

A exploração pioneira da gruta provavelmente deu-se pela atuação de fazendeiros e moradores da região, que penetravam nas grutas para extração do salitre, matéria prima necessária para a fabricação de pólvora.

A partir de 1834, o naturalista dinamarquês Peter W. Lund, realizou estudos paleontológicos nessa gruta, encontrando vários fósseis de mamíferos.

A gruta sempre foi muito procurada por turistas, mas somente em 1967 recebeu investimentos mais expressivos do Governo do Estado para a implantação de uma infraestrutura adequada que proporcionasse conforto aos visitantes. Foi, por tanto, a primeira gruta brasileira a ser preparada para essa atividade.

 

Museu Casa Guimarães Rosa – Acesso: Pago

museu casa guimarães rosaO Museu Casa Guimarães Rosa (MCGR), unidade vinculada à Superintendência de Museus do Estado de Minas, foi criado através da Lei nº 5775 de 30 de setembro de 1971. Sua criação foi idealizada no contexto de dois fatos distintos: o inesperado falecimento de Guimarães Rosa em novembro de 1967 e a criação do IEPHA, que materializava o sonho preservacionista, vigente à época, no âmbito do Estado. Foi inaugurado em 30 de março de 1974, na casa onde nasceu o escritor e passou sua infância em Cordisburgo, cenário de experiências que irão servir da matéria-prima para a sua obra.

Concebido como centro de referência da vida e obra do escritor, o Museu preserva um acervo de vários objetos, composto de registros de sua vida profissional como médico e diplomata, objetos de uso pessoal, vestuário, utensílios domésticos, mobiliário e fragmentos do universo rural descrito por Rosa, a exemplo de objetos de montaria e relacionados à atividade pecuária. Também está sob a guarda do Museu uma coleção de cerca de 700 documentos textuais entre os quais merecem referência os registros de caráter pessoal (certidões, correspondência recebida e emitida, documentos escolares), discursos, artigos em periódicos e originais manuscritos ou datilografados, a exemplo de “Tutaméia”, sua última obra publicada.

Na década de 1980, o Museu sofreu algumas intervenções onde foram organizados seus documentos textuais e executado um novo projeto expográfico, com a reconstituição do estabelecimento comercial mantido pelo seu Fulo, pai do escritor, que funcionava em um cômodo integrado à residência da família, como era de costume nas pequenas cidades do interior de Minas.

O Museu Casa Guimarães Rosa constitui hoje, referência importante para o turismo em Minas, integrando o roteiro tradicional de visitas à Gruta do Maquiné e arredores. Mas, para além desse turismo convencional, responsável por expressivo número de visitantes, o Museu vem se firmando, desde a década de 1980, como centro de atração de pesquisadores nacionais e internacionais, interessados em conhecer o seu acervo museológico, bem como o patrimônio cultural e ambiental disperso nas áreas urbana e rural do município de Cordisburgo, paisagem que deixou marcas indeléveis expressas na obra do escritor. Concomitante a esse crescente interesse de estudiosos e leitores de Rosa, as relações entre o Museu e a comunidade local tornaram-se significamente estreitas, graças a uma programação de ação cultural, que têm promovido experiências contínuas de apropriação pelo público da obra poética do escritor.

Concretamente, o turismo cultural e de pesquisadores em Cordisburgo, aliado à participação efetiva da comunidade nas atividades do Museu, resultaram em projetos e atividades que vêm ampliando a atuação museológica para além dos limites estritamente institucionais. São projetos, eventos e atividades desenvolvidos pela Associação dos Amigos do Museu Casa Guimarães Rosa (AAMCGR), e que visam divulgar a obra do escritor para o turista e, sobretudo, para a população local.

“Cordisburgo era pequenina terra sertaneja, trás montanhas, no meio de Minas Gerais. Só quase lugar, mas tão de repente bonito: lá se desencerra a Gruta do Maquine, milmaravilha…” (Guimarães Rosa)

 

Capela do Patriarca São José – Acesso: Livre

A construção da capela é tida como marco inicial do povoamento da cidade, suas características arquitetônicas e o material construtivo a situam entre as edificações religiosas de pequeno porte do período colonial de Minas Gerais. As edificações vizinhas são de pequeno porte, o que permite que a capela se destaque com sua beleza singela. Construída em estrutura autônoma de madeira, possui partido simplificado, apresentando o corpo da Nave conjugado com a Capela-Mor que se soma aos dois volumes menores das laterais que forma a sacristia e uma capela lateral.

 

Casa Elefante – Acesso: Livre

Casa ElefanteA Casa Elefante começou a ser construída em 2009 pelo escultor Stamar, popularmente conhecido como “Tazico”. Depois da construção do “Zoológico de Pedra Peter Lund”, o artista percebeu que com sua técnica, era capaz de produzir estatuárias maiores e daí, utilizando de muita criatividade, decidiu esculpir uma casa em forma de elefante, animalejo este escolhido por ser o maior mamífero da terra.

Buscando tornar sua obra mais atrativa, houve a caracterização do elefante seguindo a temática indiana, cujos artefatos ganham muitas cores e brilho.

A escultura se tornou a 7ª casa mais inusitada do mundo, um levantamento feito pela Rede Record de televisão. Localiza-se na entrada da cidade, e não há quem chegue pela primeira vez e não pare para tirar pelo menos uma foto.

 

Igreja Matriz de Santo Antônio da Lagoa – Acesso: Livre

Igreja Matriz de Santo Antônio da LagoaFoi a primeira igreja construída em Cordisburgo, no final do século XIX. Sua edificação remete à criação da Paróquia de Santo Antônio da Lagoa, instituída por Carta Episcopal no dia 06 de novembro de 1882, pelo primeiro arcebispo de Diamantina, Dom João Antônio dos Santos. A Matriz da Paróquia foi construída com o empenho da população e a boa vontade do Coronel Modestino. O primeiro vigário foi Tertuliano José da Siqueira, que exerceu o paroquiato por 18 anos.

A Igreja de Santo Antônio da Lagoa foi um dos mais prósperos e importantes templos religiosos na época de sua construção no município de Curvelo, o qual Cordisburgo pertenceu até 1911.

Construída em 1882, a edificação apresenta características da arquitetura religiosa mineira dos séculos XVIII e XIX, com fachadas e partido arquitetônico simples e interior mais elaborado. O sistema construtivo utilizado foi a estrutura autônoma de madeira com vedação em tijolo cozido.

O altar-mor possui retábulo esculpido em madeira, com imagem do santo padroeiro da igreja, Santo Antônio. No piso do altar-mor, existe uma sepultura com tampo de mármore do Padre Tertuliano José da Siqueira, primeiro vigário, datada de 23 de março de 1900.

 

Igreja Matriz do Sagrado Coração de Jesus – Acesso: Livre

Igreja Matriz do Sagrado Coração de JesusA Igreja Matriz do Sagrado Coração de Jesus foi construída entre 19/05/1884 e 20/05/1894 pelo Padre João de Santo Antônio, quando da criação do povoado, porém da construção original, não restou muita coisa. A nova construção em estilo eclético, realizada em meados do século XX, guarda da formação inicial as torres frontais e há pouco tempo também fazia parte da Matriz, o altar original e a pia em que foi batizado o escritor João Guimarães Rosa. Como em todas as Igrejas construídas no período citado, situa-se em local elevado no centro de Cordisburgo dando uma visão ampla do município.

 

Museu Gruta do Maquiné – Acesso: Livre

Museu Gruta do MaquinéO Museu da Gruta do Maquiné, em Cordisburgo, é inspirado na trajetória do naturalista dinamarquês Peter Wilhelm Lund (1801-1880), pela região de Cordisburgo, na Serra do Maquiné, onde foram encontradas ossadas fósseis da Preguiça Gigante, Tigre-Dentes-De-Sabre e da Nothrotherium Maquinense.

A museógrafa foi montada de forma a conduzir o visitante desde a porta de entrada, com fitas de LED, onde estarão escritos os nomes da flora e da fauna pesquisada pelo Peter Wilhelm Lund e pelo também dinamarquês Eugenius Warming.

Em cinco galerias, instaladas em área total de 400 m², o visitante poderá conhecer a respeito da classificação da fauna e flora pesquisadas pelos dois naturalistas e obter informações sobre a gruta.

 

Portal Grande Sertão – Acesso: Livre

Portal Grande SertãoInaugurado no dia 27 de junho de 2010, o Portal Grande Sertão é fruto da parceria do Governo de Minas Gerais, por intermédio da Secretaria de Estado de Cultura/Superintendência de Museus, e a Associação dos Amigos do Museu Casa Guimarães Rosa (AAMCGR), com a participação da Prefeitura de Cordisburgo.

Está localizado na Praça Miguilim e é composto por representações de figuras humanas esculpidas em bronze. São seis vaqueiros, trajados à moda sertaneja e montados a cavalo. Há também o próprio Guimarães Rosa saudando os sertanejos e a figura de um cachorro, personagem sempre presente nas obras do autor. Esta cena é emoldurada por um pórtico de chapa de aço e as estátuas que inicialmente foram esculpidas em barro, receberam uma fundição que utilizou 3.500 quilos de bronze.

Criação e execução do artista Leo Santana, também escultor da estátua de Carlos Drummond de Andrade em Copacabana no Rio de Janeiro.

Idealizado para ser extensão do Museu Casa Guimarães Rosa e marco de entrada para o sertão mineiro, o Portal Grande Sertão representa, para os habitantes e visitantes de Cordisburgo, o cenário e a alma de João Guimarães Rosa.

 

Zoológico de Pedras “Peter Lund” – Acesso: Livre

Zoológico de Pedras “Peter Lund”O Zoológico de Pedra Peter Lund possui exposição de réplicas de animais do período Pleistoceno (entre 10.000 anos e 2.000.000 de anos atrás). As réplicas são confeccionadas com telas, areia e cimento. O zoológico homenageia o cientista dinamarquês Peter Wilhelm Lund estudioso da Gruta do Maquiné, considerado o pai da Paleontologia brasileira.