Nesse artigo você vai conhecer mais sobre Fibrose Cística, espero que goste, aproveite também para conhecer outros artigos relacionados na nossa categoria de Saúde. Por favor, se esse artigo for relevante para você, deixe um comentário no final da página, e muito importante para nossa equipe! Fique a vontade e boa leitura.

 

O que é Fibrose Cística?

A fibrose cística é uma enfermidade que similarmente é conhecida como mucoviscidose ou, por isso, apenas por FC. A fibrose cística é uma enfermidade genética, autossômica, hereditária e recessiva. Traduzindo, a enfermidade é antiga dos pais para os filhos, porém eles não absolutamente precisam ter a Fibrose Cística.

A sua essencial qualidade é o concentração de secreções nos pulmões, no acordo digestivo e em outras exigências do corpo. Por vezes, essa eliminação é pegajosa e densa. A enfermidade também pode ser chamada de Mucoviscidose ou Doença do Beijo Salgado, por conta da eliminação em exagero do sal pelo esforço a ponto das outras indivíduos sentirem o “gosto”.

Acredita-se que proximamente de 70 mil indivíduos possui a complicação no mundo inteiro. Há quem como, também, que 4% dos descendentes europeus abrange o dna para a enfermidade. No Brasil, 1 indivíduo a cada 10 mil é afetada.

 

Índice neste texto você irá obter as seguintes informações:

 

  • O que é Fibrose Cística?
  • Causas Os sinais da Fibrose Cística
  • Elementos de perigo
  • Reconhecimento da Fibrose Cística
  • Qual o tratamento para Fibrose Cística?
  • Complicações
  • Qual a expectativa de vida de indivíduo com Fibrose Cística?
  • Convivendo com a enfermidade
  • Prevenção

 

Causas

A Fibrose Cística é causada por um defeito no dna que faz com que o corpo produza mucosidade em exagero e acaba se acumulando no trato respiratório e no pâncreas. Este defeito é causado no braço prolongado do cromossomo 7, na região 3 e banda 1 (7q31). Dessa maneira, a enfermidade é considerada autossômica recessiva.

O excesso da mucosidade acaba causando infecções nos pulmões e são capazes de colocar a vida do paciente em perigo, levando a provocar complicações digestivos graves. O sistema reprodutor masculino e as glândulas sudoríparas similarmente são capazes de ser afetadas com a enfermidade.

Frequentemente, as crianças com pouco de 2 anos já são diagnosticadas com o dificuldade, porém, em mais casos, a enfermidade é diagnosticada já na ciclo adulta. Estes pacientes adultos frequentemente contem mais sinais e complicações relativos à enfermidade.

 

Os sinais da Fibrose Cística

Os sinais da enfermidade costumam alternar de acordo com a idade do paciente. Os recémnascidos e os mais novos costumam ter sinais distintos dos mais pacientes.

Os recém nascidos possui como principais sinais:

  • Dificuldade para passar a ter peso;
  • Desidratação sem razão ostensível;
  • Secreções que atrapalham o desempenho do intestino;
  • Tosse com secreção;
  • Pacientes mais velhos;
  • Diabete;
  • Infecções respiratórias;
  • Atraso na puberdade;
  • Infertilidade (acreditase que somente 30 ou 40% das mulheres não podem conceber e apenas 2% dos homens podem se tornar pais biológicos);
  • Sinusite crônica;
  • Redução de peso;
  • Diarreia crônica;
  • Deformidade nos dedos e unhas;
  • Desnutrição;
  • Formação de pólipos nasais;
  • Cirrose biliar;

 

Elementos de perigo

O histórico da família é o maior agente que pode resultar perigos aos pacientes. Outro agente é a pele branco, que padece bastante mais com a enfermidade do que as indivíduos de outras raças.

A enfermidade, por ser autossômica, se manifesta tanto nos homens como nas mulheres. Acreditase que 1 a cada 5 indivíduos são portadores assintomáticos do dna da Fibrose Cística.

A enfermidade é recessiva, isso é, o paciente necessita acolher um dna abalado do agente e um da mãe. Dessa maneira, a criança terá 25% de aberta de ter a enfermidade. Alguns dos pacientes de fibrose cística são capazes de se acudir-se estéreis por conta do inibição do canal deferente.

Outrora, as crianças que sofriam da Fibrose Cística costumavam não sobreviver muito, porém com a evolução da medicina, o reconhecimento se torna mais possível e o tratamento similarmente. Hoje em dia, a qualidade de vida dos pacientes é bem melhor do que a de anos atrás.

 

Reconhecimento da Fibrose Cística

Os médicos responsáveis por cuidar dessa enfermidade são:

  • Gastroenterologista;
  • Pneumologista;
  • Genética médica;
  • Clínico geral.

Estes profissionais são qualificados para identificar os complicações e exigir exames para conseguirem elaborar o reconhecimento. Ao longo a consulta, eles também são capazes de realizar perguntas que indiquem no momento em que os sinais surgiram, quais são eles e quais as suas frequências.

Os exames que os médicos costumam exigir para identificar a fibrose cística são:

  • Teste do pezinho;
  • Teste do esforço;
  • Teste genético.

Para os recém nascidos, o teste do pezinho é recomendado. O teste do esforço similarmente pode ser realizado, porém é bastante complicado de ser executado antes do bebê concluir 3 ou 4 semanas de vida.

O teste do esforço é realizado para identificar a porção de sal no suor pela pilocarpina. Ele pode ser executado similarmente em crianças e adultos. Com este teste, é determinado, também, o histórico familiar da enfermidade e os vestígios clínicos.

Realizar a prova genética similarmente é uma ótima escolha para entender como a enfermidade surgiu. Como a enfermidade pode prejudicar vários órgãos, mais exames são capazes de ser feitos para identificar a fibrose cística, como:

  • RaioX ou tomografia do peito;
  • Teste de desempenho dos pulmões;
  • Teste de estimulação da secretina;
  • Teste de gordura nas fezes;
  • Medição da função pancreática;
  • Tripsina e quimotripsina nas fezes;
  • Série do trato gastrointestinal superior e do doméstico delgado.

 

Qual o tratamento para Fibrose Cística?

A essencial ofício do tratamento é aumentar a qualidade de vida do paciente. Vários tratamentos são capazes de ser feitos para a fibrose cística. Para as crianças, é essencial ficar de atenção na refeição para que elas constantemente fiquem nutridas.

Como há pacientes com complicações pulmonares por conta da enfermidade, o tratamento é realizado com:

  • Remédios inalados para abrir as vias respiratórias;
  • Antibióticos para proteger-se e cuidar das infecções pulmonares;
  • Alta concentração de soluções salinas;
  • Substituição de enzima para favorecer a expectoração;

 

Para os pacientes com complicações intestinais e nutricionais, podese adicionar:

  • Enzimas pancreáticas para abarcar proteínas e gorduras;
  • Regime rica em proteínas e calorias;
  • Usar suplementos vitamínicos.

O médico é a indivíduo indicada para realizar o seu tratamento de modo correto. É recomendado não se automedicar e nem sequer atrapalhar o tratamento antes do fim. Alguns remédios são capazes de ser recomendados pelo profissional:

  • Ciprofloxacino;
  • Aires;
  • Fluimucil.

Atenção! DE MODO ALGUM se automedique ou interrompa o consumo de um remédio sem antes aconselhar-se um médico. Apenas ele conseguirá dizer qual remédio, porção e duração do tratamento é o mais recomendado para o seu caso em exclusivo. As informações contidas nesse site abrange somente a desejo de abordar, não pretendendo, de maneira qualquer, trocar as orientações de um profissional ou servir como orientação para qualquer forma de tratamento. Siga constantemente as orientações da bula e, se os sinais persistirem, procure indicação médica ou farmacêutica.

 

Problemas

Se a enfermidade não for tratada de modo correto, complicações maiores são capazes de aflorar, como:

  • Diabete;
  • Complicações intestinais;
  • Desnutrição;
  • Artrite;
  • Pneumonia costumeiro;
  • Pneumotórax;
  • Carência cardíaca (lado direito);
  • Enfermidade ou carência hepática, cirrose biliar e pancreatite;
  • Expectoração de sangue.

 

Qual a esperança de vida de indivíduo com Fibrose Cística?

No Brasil, a expectativa de vida dos pacientes com Fibrose Cística é de 19 anos, isto visto que a enfermidade não tem cura e é baixo. Embora disso, o SUS (Sistema Único de Saúde) oferece o tratamento sem esforço.

 

Convivendo com a enfermidade

Embora da enfermidade não ter cura, o tratamento auxilia a aumentar a qualidade de vida. E, além do mais, alguns afazeres são capazes de ser tomados para que ele seja mais eficaz e a recuperação seja mais ágil:

  • Ingerir bastante líquido;
  • Realizar treinos físicos 2 ou 3 vezes ao longo a semana;
  • Não fumar;
  • Evitar fumaça, sujeira, chão e itens químicos;
  • Apurar ou remover a mucosidade e secreções das vias respiratórias.

 

Crianças

É complicado que os pequenos aceitem a enfermidade, uma vez que eles abrange que corporificar uma série de atividades distintos das outras crianças, como, por exemplo, ficar internado no clínica em algumas situações que são capazes de provocar pavor.

As crianças, ao frequentarem a academia, sofrem certamente preconceito dos amigos de aula uma vez que eles são mais debilitados e várias vezes necessitam de remédios ao longo a apresentação, bem como fazer atividades respiratórias.

Nesses casos, os pais precisam preservar uma correlação aberta com a criança, ensinando que é necessário corporificar todos os tratamentos importantes para que ela tenha uma qualidade de vida ótima. Quanto ao clínica, se for conversado com o médico, pode ser que os pais possam ficar mais tempo com a criança, a fim de mudar segurança.

 

Pais

Vários são os pais que se sentem culpados pelas crianças possuírem a enfermidade, porém isto não pode acontecer, visto que não possui como imaginar que eles causariam a enfermidade ao filho. Se houver outras crianças na família além do paciente, é preciso racionar amor e aconchego aproximado a todos para que não haja conflitos e crises de aflição dentro de casa.

 

Advertência

Não há advertência, visto que, na maior parte dos casos, a enfermidade é genética. O que pode ser realizado é seguir as recomendações dadas acima para que o paciente viva melhor.

A fibrose cística é uma enfermidade não bastante divulgada, embora de ser perigosa à saúde. Cuidar o dificuldade dessa maneira que for diagnosticado é essencial para garantir que o paciente consiga ter boas condições para viver.

Compartilhe este artigo com seus familiares e colegas para que eles similarmente possam se abordar sobre a enfermidade.