Nesse artigo você vai conhecer mais sobre Como Acabar Com a Azia espero que goste, aproveite também para conhecer outros artigos relacionados na nossa categoria de Saúde. Por favor, se esse artigo for relevante para você, deixe um comentário no final da página, e muito importante para nossa equipe! Fique a vontade e boa leitura.

SOBRE A AZIA

O prazer da refeição dura pouco para os 20 milhões de brasileiros que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, são obrigados a lidar com a queimação no estômago causada pelo sintoma. O número levantado já é alto, mas tende a ser ainda maior, já que a maioria das pessoas que convive com o problema dificilmente busca um especialista na tentativa de resolvê-lo.

Os números assustam: os casos de incidência de azia quadruplicaram em 20 anos no Brasil. Cerca de 20 a 40% dos pacientes têm azia devido à outra doença: a Doença do Refluxo Gastresofágico. Os restantes dos pacientes possuem a doença por diversos outros motivos.

 A azia ou pirose é uma sensação de queimação no esôfago que se caracteriza por uma dor pouco acima do estômago, na região do peito, atrás do osso esterno. Normalmente, os sintomas de queimação pioram quando a pessoa está deitada ou se dobra e são decorrentes da presença do suco gástrico fora do seu local habitual.

A sensação de queimação pode subir até a faringe e provocar eructações ácidas e aumento da salivação.

CAUSAS

A azia ocorre quando o suco gástrico ácido, que está no estômago, volta até o esôfago. O esfíncter ao final do esôfago normalmente abre para permitir que o alimento ou líquido chegue até o estômago, fechando logo em seguida. Se esse esfíncter se relaxa ou não se fecha totalmente, o ácido estomacal pode voltar, causando a azia. Por esse motivo, os sintomas pioram quando a pessoa se deita ou se dobra. Nesse caso, a azia ou pirose é decorrente da Doença do Refluxo Gastresofágico. As causas que levam ao relaxamento anormal do esfíncter gastresofágico são muitas: tabagismo, diabetes, asma, obesidade, síndrome de Zollinger-Ellison, desordens no tecido conjuntivo como esclerodermia, dentre outros.

Fatores que levam à produção excessiva de suco gástrico, como por exemplo, alimentação inadequada, também contribuem para ocasionar azia. Alimentos muito condimentados ou à base de cafeína e também frutas cítricas podem piorar o caso do paciente com azia.

Uma bactéria: Helicobacter pylori, que provoca inflamação gástrica. Em 16 de junho de 1984, dois pesquisadores australianos Barry Marshall e Robin Warren demonstraram em um estudo que o estômago estava colonizado por bactérias (H. pylori), esta descoberta abriu a porta para uma nova terapia para a azia, o uso de antibióticos.

Esta descoberta revolucionária foi premiada em 2005, com o Prêmio Nobel de Medicina.

Sabendo-se que o câncer de estômago é parcialmente causado por H. pylori, o tratamento de vários casos de queimação no estômago com antibióticos mudou radicalmente a medicina, reduzindo a incidência de câncer de estômago.

 

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico pode ser feito por uma entrevista clínica com o paciente ou através de exames específicos, como a endoscopia, cintilografia e raio-X com contraste de bário. Quando a azia é crônica, o paciente pode estar com a Doença do Refluxo Gastresofágico e pode apresentar complicações como diminuição do diâmetro esofágico e alterações na mucosa com aumento da incidência de câncer (esôfago de Barret).

 

Os tratamentos incluem controlar a produção ácida ou neutralizá-la e podem ser feitos com uso de antiácidos, inibidores de bombas de prótons ou bloqueadores H2.

Algumas plantas medicinais, como o alcaçuz e a camomila, auxiliam no tratamento.

Para o paciente com azia, é sempre importante buscar orientação médica caso os casos sejam crônicos. Uma alimentação adequada, redução do consumo de álcool, exercícios físicos e mudanças no hábito de vida podem trazer benefícios no controle dos sintomas da queimação.

 

 

GRUPOS DE RISCO

Alguns pesquisadores alegam que a azia é uma doença ocasionada por má alimentação ou consumo excessivo de determinados alimentos. Pacientes com maus hábitos alimentares podem apresentar azia em algum período da vida. Alguns alimentos a serem reduzidos na alimentação em casos de azia:

– Frutas cítricas

– Café

– Comidas gordurosas e frituras

– Condimentos e molhos

– Pimentas e pimentões

– Vinagre

– Refrigerantes

 

Pacientes tabagistas e que ingerem álcool também apresentam risco aumentado de desenvolverem azia. Além disso, indivíduos com Doença do Refluxo Gastresofágico têm azias recorrentes.

Mulheres grávidas também podem apresentar queimação no esôfago devido ao enfraquecimento do esfíncter esofágico. Outros grupos de risco são:

– Pacientes diabéticos

– Pacientes obesos

– Pacientes com esclerodermia (uma doença do tecido conjuntivo)

– Pacientes com síndrome de Zollinger-Ellison

– Pacientes com hérnia de hiato

– Pacientes com demora no esvaziamento gástrico

 

SINTOMAS

Os sintomas da azia são basicamente queimação na região peitoral, principalmente após as refeições e durante a noite (ao deitar) e dores esofágicas e peitorais que pioram quando a pessoa está deitada ou se dobra. Por vezes a dor no peito pode ser tão intensa que, em muitos casos, os pacientes a confundem com angina.
O suco gástrico pode subir até a garganta e ocasionar um gosto amargo e ácido na boca. Outros sintomas incluem dificuldades em respirar e crises de asma noturna e tosse.

 

COMO ACABAR COM A AZIA

 Os tratamentos para a azia se baseiam em reduzir ou controlar a quantidade de ácido produzida pelo estômago. Nesse aspecto, alguns dos medicamentos usados são:

 

– Antiácidos: ajudam a neutralizar o ácido produzido pelo estômago. Alguns medicamentos antiácidos possuem como base o hidróxido de magnésio e hidróxido de alumínio. Outros medicamentos são: carbonato de cálcio e bicarbonato de sódio.

– Bloqueadores de receptores de histamina H2: são medicamentos que reduzem a produção de ácido gástrico produzido. Incluem: cimetidina, ranitidina, famotidina e nizatidina.

– Inibidores de bomba de prótons: são medicamentos que bloqueiam a produção de ácido gástrico e ajudam a curar o esôfago. São exemplos de medicações: omeprazol, lansoprazol, esomeprazol e rabeprazol. Eles diminuem o nível de ácido produzido mais do que os bloqueadores H2.

Pacientes com doença do refluxo gastresofágico que não respondem bem à terapia medicamentosa podem fazer uma cirugia. Um procedimento chamado fundoplicatura melhora a efetividade do esfíncter gastroesofágico e evita que o ácido estomacal volte para o esôfago.

 

Fitoterapia

Algumas plantas medicinais ajudam a controlar os sintomas da azia. Dentre ela podemos citar:

– Espinheira-santa

– Gengibre

– Beldroega

– Cenoura e batata

– Alga carolina

– Folhas de hortelã

– Folhas de framboesa

– Alcaçuz

– Camomila

– Melissa

 

É importante que antes do uso de qualquer tratamento um médico esteja ciente e oriente o paciente a usar corretamente o medicamento.

 

PREVENÇÃO

 

Mudanças no hábito de vida podem resultar em grandes melhorias para os sintomas de azia e queimação estomacal. Algumas dicas de prevenção são:

 

– Mantenha um peso saudável. Isso pode incluir a prática regular de exercícios físicos e controle na alimentação.

– Evite alimentos muito condimentados ou gordurosos. Isso inclui redução no consumo de chocolate, pimentas, frituras em geral, cebola, alho e café.

– Ingira mais frutas e legumes, mas tome cuidado com as frutas cítricas.

– Reduza o consumo de refrigerantes.

– Evite o álcool e cigarro, pois esses agentes comprovadamente pioram os quadros de queimação.

– Evite usar roupas muito apertadas ou cintos na região abdominal.

– Não deite ou sente logo após as refeições.

REMÉDIOS CASEIROS PARA ACABAR COM A AZIA

 

Como Acabar Com a Azia utilizando remédio caseiro para azia é comer 1 torrada ou 2 biscoitos cream cracker, pois eles absorvem o ácido que está provocando a acidez na laringe e na garganta, diminuindo a sensação de queimação.

 

Outras opções são chupar um limão puro no momento da azia porque o limão, apesar de ser ácido, diminui a acidez do estômago, ou comer uma fatia de batata crua porque a batata também é capaz de neutralizar a acidez do estômago, combatendo o desconforto em poucos instantes. No entanto, existem outras receitas que podem ser facilmente preparadas em casa e utilizadas ao longo do dia, especialmente em quem sofre com refluxo e vive tendo crises de azia. Algumas delas são:

 

  1. Bicarbonato de sódio

 

O bicarbonato de sódio quando está diluído em água tem efeito alcalinizante no tubo digestivo e, consequentemente, diminui a acidez do estômago, reduzindo a inflamação do esôfago e aliviando o desconforto da azia.

Ingredientes

1 colher (de café) de bicarbonato de sódio;

100 ml de água.

 

Modo de preparo

Misturar os ingredientes e tomar esta mistura em pequenos goles.

 

  1. Chá de gengibre

 

O chá de gengibre contém antioxidantes e outras substâncias que ajudam a aliviar a inflamação do esôfago, além de diminuírem as contrações do estômago, o que acaba reduzindo a sensação de azia.

Ingredientes

2 cm de raiz de gengibre cortada em fatias;

2 xícaras de água.

 

Modo de preparo

Coloque o gengibre e a água numa panela e deixe ferver. Depois, desligue o fogo e deixe a panela tampada por, pelo menos 30 minutos. Por fim, remova os pedaços de gengibre e beba um copo do chá 20 minutos antes de cada refeição.

  1. Chá de espinheira-santa

 

O chá de espinheira-santa também pode ser indicado porque possui propriedades digestivas, que além de melhorarem a má digestão, também aliviam a azia.

 

Ingredientes

1 xícara de água fervente;

1 colher de sopa de espinheira-santa.

 

Modo de preparo

Ferver a água e adicionar a espinheira-santa, deixando repousar por 5 a 10 minutos. Coar e tomar sem adoçar, 2 a 3 vezes por dia.

 

  1. Chá de funcho

 

O chá de funcho também contém ótimas propriedades anti-inflamatórias que ajudam a aliviar a inflamação do estômago, aliviando a sensação de queimação na garganta.

Além disso, como auxilia no esvaziamento do estômago, pode ser usado em casos de refluxo para diminuir o surgimento de crises de azia.

 

Ingredientes

1 xícara de água fervente;

1 colher de sopa de funcho.

 

Modo de preparo

Adicionar o funcho à água fervente e deixar repousar por 10 minutos, depois coar e beber entre 2 a 3 vezes por dia ou 20 minutos antes de se fazer uma refeição mais pesada.

 

  1. Suco de pera

 

Quem não gosta de chá pode optar por tomar um suco de pera acabado de fazer porque ele também ajuda a combater a azia e queimação, auxiliando na digestão. Para preparar basta bater no liquidificador 2 peras maduras com um pouquinho de água e, se preciso, adicionar algumas gotinhas de limão para que o suco não escureça.

A pera é semi-ácida, rica em vitaminas A, B e C, assim como sais minerais, como sódio, potássio, cálcio e ferro que ajudam a diluir o ácido estomacal e a aliviar o desconforto e a queimação causados pela azia.

Além disso, outras frutas, que possuem as mesmas propriedades, que podem ser utilizadas para fazer um suco e incluem a banana d’água madura, a maçã (vermelha) e o melão.

 

15 MITOS E VERDADES SOBRE A AZIA


1 – Leite ajuda a aliviar os sintomas da azia. PARCIALMENTE VERDADE: no momento da crise, beber leite, uma substância alcalina, tem o poder de tamponar o ácido e melhorar a azia. Em outras palavras, o leite é capaz de combater o efeito agressor do ácido. Mas apenas momentaneamente. O uso do leite para esse fim deve ser evitado em grandes quantidades, pois a presença do cálcio no leite é um fator de aumento de produção de ácido pelo estômago.

 

2 – Fumar pode causar azia. VERDADE: fumar aumenta o risco de sentir azia. Isso porque é uma substância que funciona como irritante da mucosa gástrica e, portanto, aumenta a produção do ácido do estômago e as probabilidades de refluxo.

 

3 – Consumir bebidas alcoólicas não piora a azia. MITO: o consumo de bebidas alcoólicas não é recomendado para quem tem azia. O álcool atua relaxando a válvula que impede que o conteúdo do estômago suba para o esôfago. Assim, esta substância pode levar o indivíduo a ter azia.

 

4 – Comer muito chocolate pode engatilhar uma crise de azia. VERDADE: chocolate é um dos alimentos que devem ser evitados por quem sofre de azia. O alimento pode deixar a alma mais leve, estimulando a produção de serotonina, mas este hormônio trabalha para relaxar o esfíncter inferior, abrindo para o ácido refluir para o esôfago.

 

5 – Elevar a cabeceira da cama ajuda a evitar a azia. PARCIAMENTE VERDADE: elevar a cabeceira da cama 15 ou 20 cm pode dificultar a subida de suco gástrico pelo esôfago. Mas isso é mais recomendado para portadores de Doença do Refluxo Gastroesofágico que têm episódios de sufocação noturna (ou seja, que acordam durante a noite com dificuldade de respirar devido à regurgitação do conteúdo gástrico).

 

6 – Quem tem hérnia de hiato tem mais propensão a ter azia. VERDADE: A presença desta alteração anatômica favorece o refluxo do conteúdo gástrico para o esôfago, facilitando, dessa maneira, a ocorrência da azia. Mas isso não significa que todas as pessoas que têm azia têm hérnia de hiato, ou quem tem hérnia de hiato sofra de crises de azia.

 

7 – Deitar após as refeições evita azia. MITO: apesar do sono que ate logo depois do almoço, quem sofre de azia deve evitar deitar-se após uma refeição. Fazer isso deixa o corpo em uma posição que facilita o refluxo dos ácidos digestivos que provocam a azia. Isso aumenta a quantidade de ácido gástrico que vai para o esôfago e piora a azia.

 

8 – Uso de anticiácidos melhora os sintomas da azia. VERDADE: uso de antiácidos ajuda a aliviar os sintomas da azia, neutralizando o ácido do estômago. No entanto, existem medicamentos mais efetivos. O tratamento inicialmente é feito através de medicamentos que bloqueiam a acides do estômago. Entre eles, os inibidores de bomba de prótons (medicação utilizada para diminuir a quantidade de ácido produzida) são os mais efetivos.

 

9 – Estresse agrava a azia. VERDADE: estresse não apenas podem agravar a sensação de azia, como também deflagrá-la. Situações de estresse podem causar modificações funcionais (motoras, secretoras etc.) no aparelho digestivo que podem favorecer o refluxo gastroesofagiano e, desta maneira, fazer surgir ou piorar a azia.

 

10 – Ficar muito tempo sem comer evita azia. MITO: ficar muito tempo em jejum pode causar a sensação de queimação. Isso porque quando o estômago está vazio, o ácido gástrico se acumula e pode refluir, irritando o final do esôfago.

 

11 – Estar obeso ou acima do peso aumenta as chances de ter azia. VERDADE: Pessoas com excesso de peso costumam sentir mais azia graças ao efeito mecânico que o aumento do volume abdominal exerce sobre o estômago. Essa pressão de fora para dentro do estômago faz com que seu conteúdo seja “empurrado” de volta para o esôfago.

 

12 – Tomar café depois do almoço da azia. VERDADE: não apenas depois do almoço. Cafeína em excesso pode deflagrar uma crise de azia. A substância pode estimular a produção de ácido no estômago e a abertura do esfíncter esofágico interior, causando a sensação de queimação.

 

13 – Tomar muitos medicamentos pode causar azia. VERDADE: utilizar muitos medicamentos, ou muito frequentemente, pode causar ou piorar a azia. Além disso, existem alguns específicos que aumentam esse risco.

 

14 – Fracionar as refeições ajuda a evitar a azia. VERDADE: o ideal para quem sente azia é fazer mais refeições ao dia, com menores quantidades de cada vez. Dessa maneira, evita-se aumentar muito a pressão dentro do estômago, o que favorece o refluxo.

 

15 – Beber durante as refeições ajuda a evitar a azia. MITO: beber muito durante as refeições acaba diluindo o ácido gástrico e obrigando o estômago a produzi-lo em maior quantidade. Se a bebida for gaseificada, pior ainda: ela aumenta a pressão dentro do estômago, forçando os ácidos digestivos a seguirem no sentido do esôfago e causando a azia. Por isso é melhor maneirar.